O Trigêmeos do Magnata romance Capítulo 408

No entanto, quando entraram no carro, havia uma atmosfera ambivalente entre eles. Sarah sentia seu coração batendo forte e Nigel também parecia distraído. Apesar disso, o homem sabia qual era o seu lugar e não alimentava expectativas de um relacionamento íntimo com a bela mulher. Era verdade que ele havia se casado novamente com Dorothy, meramente por causa do filho deles. No entanto, mesmo após tantos anos, o patriarca nunca tinha esquecido Sarah.

Mais tarde, Nigel descobriu que Sarah havia se casado com um membro da família Marwood e apenas podia desejar que a mulher vivesse tudo de bom. No fundo, os dois se sentiam frustrados pelos lugares para os quais o destino os levou. Assim como ele disse a Anne, sua escolha teria sido diferente se soubesse que Sarah estava grávida.

Sarah, por outro lado, sentia um desejo intenso a dominar naquele instante. A cada olhar dirigido a Nigel, sua atração por ele se intensificava. Sem constrangimentos, ela poderia admitir que ele fora seu primeiro amor, o homem por quem se apaixonara inicialmente. Após tantos anos, ainda estava encantada por ele, mantendo viva essa fascinação.

Enquanto o carro parava no sinal vermelho do cruzamento, Sarah não hesitou e se inclinou em direção a Nigel, beijando-o nos lábios enquanto segurava firmemente seu rosto. No entanto, uma sensação de choque percorreu Nigel quando se viu envolvido pelo aroma dela, e ele rapidamente a empurrou para longe.

— Sarah, o que você está fazendo? —

— Você não gostou de relembrar? —

Nigel estava perplexo.

— Está tudo bem, ninguém vai saber. —

Após Sarah terminar de falar, ela o beijou mais uma vez. Dessa vez, Nigel não teve forças para afastá-la, incapaz de resistir. Decidiram então não retornar para suas casas nem seguir para o escritório de Nigel. Em vez disso, tomaram a decisão de se hospedar juntos em um quarto de motel. Dois amantes separados por décadas não podiam resistir à atração que os consumia.

Influenciada pela presença de Anthony no condomínio, Anne optou por não levar as crianças para brincar do lado de fora. Enquanto isso, os trigêmeos desfrutavam de momentos divertidos com seus colegas de classe na escola, conquistando o carinho das crianças mais velhas, encantadas com sua fofura contagiante. Eles nem se perguntaram por que sua mãe não passou a noite com eles.

Sentindo-se ociosa, Anne percebeu que fazia muito tempo desde a última vez que havia visto Sarah. Movida por esse pensamento, decidiu pegar um táxi e se dirigir à mansão onde sua mãe morava. Ao chegar lá, ela constatou que a mulher não estava em casa, encontrando apenas a governanta do lugar.

— Minha mãe foi jogar de novo? —

— Talvez. Ela saiu de manhã. — Respondeu a governanta.

— Saiu de manhã e ainda não voltou?! —

— Pois é. —

Anne optou por não entrar em contato com a mãe, pois presumiu que o vício dela em jogos de azar havia piorado. Em vez disso, decidiu esperar, já que sabia que ela voltaria para o jantar de qualquer forma. Após a refeição com a mãe, planejava retornar para casa e cuidar dos filhos.

Quando Sarah finalmente chegou em casa, já era quase quatro da tarde. Ao adentrar a residência, tomou um susto ao se deparar com a filha a aguardando.

— Filha, o que está fazendo aqui? —

— Que medo todo é esse? — Anne ficou intrigada pela expressão apavorada de sua mãe.

Sarah riu sem jeito e jogou a bolsa no sofá.

— Eu simplesmente não esperava sua presença. Desde que horas você está aqui? Por que não me ligou? —

— Você estava jogando, então eu não seria um estraga-prazeres se ligasse para você? — Anne foi incisiva. — Você está esquisita. Ganhou ou perdeu? —

— Nenhum dos dois. — Respondeu Sarah. — Está quase na hora do jantar, vou lavar as mãos. —

Ela se levantou e foi ao banheiro. Anne não perguntou mais nada e brincou com o telefone enquanto estava deitada no sofá. O celular de Sarah tocou, de dentro da bolsa.

— Mãe, seu telefone está tocando! — Gritou Anne.

Sarah, que estava lavando as mãos, respondeu:

— Vê se é importante! —

Porém, a mulher se lembrou que o aparelho estava na bolsa, então saiu correndo do banheiro para tentar impedir que a filha o alcançasse.

Comentários

Os comentários dos leitores sobre o romance: O Trigêmeos do Magnata