O Trigêmeos do Magnata romance Capítulo 569

Desde o primeiro contato com as crianças reconheceu o temperamento e personalidade de cada um. Nas crianças, observou partes de si: Charlie era um pouco mais agressivo e Chris era relativamente estável, enquanto Chloe era mais animada, talvez lembrando um tanto mais Anne. Era fato que os três tinham um bom raciocínio lógico, o que fazia o ego de Anthony gritar que aqueles eram mesmo os seus filhos.

— Chloe, você quer que papai te alimente? — Anthony se ofereceu, muito pouco familiarizado em dizer coisas assim.

Chloe balançou a cabeça, seus olhos grandes eram adoráveis.

— Eu como sozinha! —

Anthony, sentindo que foi rejeitado, continuou silenciosamente a comer. Hayden, que não estava muito longe deles, estava com um sorriso no rosto, porque não esperava que o senhor Marwood também tivesse aquele lado escondido.

— Papai, eu quero ligar para a mamãe. Por que mamãe não ligou para nós? Mamãe não sabe que estamos aqui! — Disse Charlie.

— Coitada da mamãe! — disse Chloe.

— Podemos fazer uma ligação? — Chris perguntou.

Coitada? Anthony não pensava assim! Naquele momento, o homem queria que Anne tivesse um gostinho de como era ser ele.

— Não se preocupem, a mamãe sabe que vocês estão aqui. Logo ela virá ver vocês, está bem? — Prometeu Anthony.

Os três pares de olhos se iluminaram ao mesmo tempo.

— Quando?! — Charlie perguntou.

— Em breve! — Respondeu o magnata.

Nesse exato momento, o telefone de Anthony tocou. Na tela, lia-se "Kathryn". Os olhos de Anthony estavam distantes e incompreensíveis, mas ele atendeu.

— Senhor Marwood, a senhorita Vallois desmaiou. — Disse Kathryn.

— É uma emergência? — O rosto de Anthony estava tenso.

— Ela está bem agora, mas não está em boa forma. —

— Você é a médica, não pode lidar com isso? — A voz de Anthony era fria.

— Desculpe. —

O homem desligou, então percebeu que as três crianças estavam assistindo todo o processo de forma imersiva.

Enquanto isso, Anne se deitou na cama e se perguntou se Anthony iria mesmo até lá. O magnata não estava de bom humor da última vez, mas apareceu mesmo assim. Dessa vez, ela até fingiu ter desmaiado, o que deveria chamar ainda mais a atenção do homem. Assim, a moça manteve os ouvidos bem abertos para observar o que estaria acontecendo do lado de fora da porta.

Se Anthony resolvesse aparecer, estaria por lá durante a noite, foi o que ela imaginou. Afinal, se Bianca estivesse por perto, talvez ele não pudesse arrumar desculpas para sair. No entanto, se a mulher estivesse mesmo lá, significaria que a megera já saberia que Anthony havia descoberto sobre as crianças, já que, provavelmente, o homem não as estaria escondendo.

Quando ela estava pensando nisso, ouviu passos do lado de fora da porta e imediatamente fingiu estar sofrendo. Kathryn empurrou a porta e se aproximou de sua cama, então olhou para a expressão agonizante de Anne e perguntou:

— Você ainda não está se sentindo bem? —

— Estou bem, não se preocupe... — Anne fingiu estar fraca.

Kathryn pensou que ela tinha alguns problemas mentais, porque não havia sintomas físicos encontrados no exame.

— Há algo de errado? Você pode me dizer? —

Anne abriu os olhos e olhou para ela.

— Você informou Anthony sobre isso? —

Kathryn estava hesitante, porque, de alguma forma, sentiu que Anne estava esperando por Anthony. Assim, a doutora explicou:

— Eu liguei, mas ele está ocupado. Talvez venha quando estiver livre. —

Diante disso, Anne não disse nada. Se fosse esse o caso, Anthony estaria lá muito em breve, ela imaginou. Assim, naquela noite, a moça esperou com muita ansiedade, mas o magnata parecia não querer dar as caras.

Comentários

Os comentários dos leitores sobre o romance: O Trigêmeos do Magnata