O Trigêmeos do Magnata romance Capítulo 634

— O senhor Marwood não está disponível no momento. — Disse o guarda-costas.

— Bianca já acordou? — Anne perguntou.

— Não sei. — O homem foi direto.

Anne queria implorar ao guarda-costas que a deixasse entrar, mas o homem apenas seguiria as ordens de Anthony. Se o magnata não deixasse ninguém entrar, isso incluía ela. Se ela invadisse e perturbasse Bianca, que estava ferida, isso apenas intensificaria o castigo que receberia depois. Assim, a moça teve que se conter e ir ao consultório da doutora, para perguntar sobre o estado da irmã.

— A situação é séria? —

— A concussão é bastante grave, mas não se preocupe, não representa risco de vida. — Disse a médica.

Anne não sabia se isso era o suficiente para ser considerado um conforto, mas de qualquer forma, ela teve bastante azar. Ela não conseguiria ver Anthony, então explicou impotente à doutora Brown.

— Foi ela quem agarrou meu braço, e eu estava apenas tentando me libertar de seu aperto. Eu realmente não a empurrei. Ela caiu sozinha. Bianca está armando para mim! —

Doutora Brown era apenas uma médica e não esperava se envolver no conflito.

— Anthony parecia querer matar alguém? — Anne perguntou timidamente.

— Não tenha medo. Não importa o que aconteça, você ainda tem três filhos com ele. O senhor Marwood não fará nada com você. —

— Mas eu não a empurrei! Por que eu deveria arcar com as consequências? — Anne disse ansiosamente.

— Acalme-se. Acredito que o senhor Marwood terá a capacidade de julgar a verdade. É melhor que você não entre na enfermaria agora, será como se você estivesse buscando a própria morte. —

Anne sentiu-se desesperada e em pânico. Que tipo de julgamento o homem faria? E se ele só julgasse pelo que viu? Resignada, Anne não disse mais nada e saiu do consultório da doutora. Ela não foi à enfermaria de Bianca porque não conseguiu encontrar a pessoa que queria ver, então seguiu o conselho da senhorita Brown e deixou o hospital.

Com uma cena tão harmoniosa como a que tiveram na noite passada, ela pensou que as coisas correriam bem dali para a frente, mas suas esperanças logo se frustraram. Afinal, como Bianca poderia ficar sentada e não fazer nada quando podia tirar vantagem do relacionamento entre ela e Anthony? Aquele telefonema de Bianca. Mesmo que Anthony soubesse do conteúdo, ele provavelmente deixaria para lá.

Anne se apoiou, sem vida, no sofá, com uma almofada nos braços. Com os olhos fechados, ela pensou em como se salvar. Como disse a doutora Brown, provavelmente era verdade que Anthony não faria nada com ela, mas poderia proibi-la de ver os filhos, uma punição mais severa do que qualquer outra.

A moça se via tão exausta de preocupação que acabou adormecendo e, quando finalmente acordou, era bem mais tarde. Qual seria a situação no hospital, depois de tanto tempo? Anthony não a procurou, então provavelmente ainda estava cuidando de Bianca. De repente, uma batida na porta levantou o coração de Anne, que olhou para a entrada, como se houvesse uma fera assustadora na porta que iria invadir a qualquer momento.

Sem ter que abrir a porta, o som da batida foi suficiente para fazer Anne adivinhar quem era. Uma porta não poderia impedir a aura aterrorizante de Anthony, e ela não ousou deixá-lo esperando, então se levantou e correu para atendê-lo. Do lado de fora da porta, o magnata estava parado de forma opressiva, seus olhos negros cheios de raiva. Anne tentou explicar:

— Não tem nada a ver comigo. Ela caiu sozinha, ela... Ah! — Antes que ela concluísse, Anthony entrou pela porta, agarrou-a pelo pescoço e a empurrou para dentro. A moça caiu direto no chão. — Meu Deus! —

— Você está realmente presa aos seus velhos hábitos, não é?! Se não fosse pelo bem das crianças, eu teria jogado você escada abaixo! — Anthony olhou de cima para baixo, com os olhos cheios de ferocidade.

Anne estremeceu e não se levantou, apenas olhou para ele e sentiu suas esperanças serem destruídas.

— Por que você não acredita em mim? Ela está armando para mim! —

— Você acha que sou cego?! — Anthony rosnou.

Comentários

Os comentários dos leitores sobre o romance: O Trigêmeos do Magnata