Bela Flor - Romance gay Capítulo trinta e um

sprite

POV: Hyun-Suk

ㅡ Empurra que dá, Hyun! ㅡ dizia Jaejun enquanto se concentrava em sentar, colocando toda sua força. ㅡ vai, me ajuda nisso, empurra também!

Meu riso não era controlado enquanto seu rosto se contorcia todo.

ㅡ Não dá pra ir com força, você vai se machucar.

ㅡ Eu só quero que isso termine logo, estou exausto, então vai, empurra.

Assentindo enquanto ainda rio de si, eu empurro e ponho toda a minha força para fechar a mala logo abaixo de si.

ㅡ Ufa. ㅡ Jaejun sorri e me agarra pelo pescoço. ㅡ Você é um namorado dez!

Meus olhos se fecham por instantes já que meu sorriso cresce ainda mais.

Ouvir Jaejun me chamando de namorado assim, fácil, nem entrega o colapso que ele teve quando fiz o pedido.

[Dias antes]

Jaejun ainda tinha seus olhos arregalados para mim e os meus não conseguiam desviar de si em completo desespero.

Meus joelhos já doíam, mas lá estava eu de joelhos, à espera de somente uma resposta.

"Diz sim" era o que eu pedia ao universo.

ㅡ Não! ㅡ mas foi isso o que ele respondeu ㅡ Você tá doido, é? Não quero!

ㅡ O quê? ㅡ ergo-me completamente incrédulo. ㅡ é claro que você quer.

ㅡ Quero, mas agora não quero.

ㅡ Como? ㅡ minha cabeça inclina. ㅡ não entendi.

ㅡ Você está pedindo isso só porque eu te chamei de namorado, não é? ㅡ Pergunta levando as mãos até a cintura. ㅡ Hyun, foi de brincadeira!

ㅡ Não! Quer dizer, sim, mas... eu quero pedir.

ㅡ Quer nada. ㅡ Jaejun fala já criando seu típico bico, virando-se e indo até à cozinha a passos pesados. ㅡ Seu mentiroso!

ㅡ Mas... ㅡ sem palavras, ergo-me e o sigo. ㅡ é verdade, meu bem.

Jaejun tem em sua mão um copo com água, e eu sou capaz de vê-lo tremer levemente. Mas ele parece duro para ceder, e desconfiado, mede olhar comigo, mas não me encara.

Eu o espero beber a água e desta vez sou eu quem sinto minha própria mão tremer.

Desde quando me tornei tão inconsistente assim?

ㅡ Você disse que não queria namorar. ㅡ ele enfim diz, abandonando o copo sobre o balcão ainda sem me encarar. - eu não quero se não for realmente real...

ㅡ Mas Jaejun. ㅡ falo e me aproximo ainda mais de si. ㅡ eu sou apaixonado por você, como pode não ser real?

ㅡ Paixões podem mudar. ㅡ diz fazendo círculos imaginários pelo mármore escuro. ㅡ e você pode se cansar de mim.

ㅡ Eu nunca me cansaria de você. ㅡ digo tocando-o sobre a cintura e ainda sem me olhar nos olhos, ele vira de frente a mim. ㅡ Me aceita como seu namorado... Por favor.

Seus olhos enfim me encaram, e eu percebo o sorriso relutante que ele faz questão de esconder.

ㅡ Eu não quero sofrer, Hyun. ㅡ fala, tocando sutilmente meu peito com a ponta de seu dedo. ㅡ Você promete não me machucar?

ㅡ Você sabe que essa promessa é impossível, meu bem, mas eu estou tentando ser o melhor para você, não estou? ㅡ falo sorrindo, deixando um selar casto em sua bochecha. ㅡ eu vou aprender a ser um namorado também. Prometo ser um namorado bom.

ㅡ Eu quero um namorado dez...

ㅡ Prometo que serei seu namorado dez. ㅡ falo abraçando-o de vez pela cintura e tendo seu corpo colado ao meu. ㅡ Você me aceita?

Jaejun desce o olhar para seu dedo em meu peito e volta a fazer círculos ali. Eu espero pacientemente os segundos que se passam por nós, mas é vendo-o assentir devagar e tímido que meu coração erra duas batidas.

ㅡ É um sim? ㅡ pergunto ainda cauteloso.

Outra vez ele assente.

ㅡ Sim... Eu aceito você como meu namorado.

A golpeada que meu coração deu outra vez no peito com suas batidas fortes e frenéticas, fez-me apertá-lo ainda mais e beijá-lo com toda vontade.

Jaejun sorri em meio à confusão de nossas bocas, mas me abraça pelo pescoço e me puxa até que esteja encostado no balcão, suspirando junto a mim quando nossos corpos se juntam ainda mais.

Suas mãos então desviam, indo até meus cabelos e os puxam sem muita força. Um gemido baixo escapa por minha boca e isso faz com que ele aperte ainda mais os dedos. Mas como se estivesse se controlando, Jaejun afasta a boca e me encara, sorrindo quando volta os olhos para os meus.

ㅡ Hyun... ㅡ Não fui capaz de responder, já que minha boca permanecia distribuindo beijos por seu pescoço. ㅡ Acho que está na hora de tentarmos ir além.

Meus olhos outra vez subiram por seu rosto e encaram os dele.

Ele está falando de sexo?

ㅡ É. ㅡ sequer preciso responder para que ele entenda minha confusão. ㅡ estou falando daquilo. Confio em você...

Sorrindo outra vez, levo ambas as minhas mãos até seu rosto, acariciando-o antes de lhe beijar com calma.

Findando o toque com seu lábio inferior entre os meus, eu torno a olhá-lo nos olhos.

ㅡ Você tem certeza? Eu não quero que tenha pressa com nada.

ㅡ Eu tenho... ㅡ fala tímido, mordendo o lábio inferior.

Outra vez sorrio, aproveitando que minha mão ainda permanece em sua bochecha para deixar outro carinho.

ㅡ Eu prometo que não vou te machucar.

ㅡ Eu sei que não irá, Hyun...

ㅡ Você quer que seja agora? ㅡ pergunto.

ㅡ Agora? ㅡ Jaejun torna a abrir seus olhos, tão assustado que chega a ser fofo. ㅡ Mas, não terminamos nem de comer, e... hm, talvez com a barriga cheia dê ruim não é? Ai meu Deus, que vergonha... E também eu ainda vou ter que fazer aquele negócio, e ainda não aprendi direito como se faz.

Ele esconde o rosto em meu pescoço, mas isso me faz rir. Ele é tão fofo.

ㅡ Você tentou? ㅡ pergunto me afastando, vendo-o ficar rubro. ㅡ se quiser eu te ajudo.

ㅡ Não, Deus me livre, eu fiz, mas não sei se fiz bem, então quando nós formos... Sabe... fazer, eu quero ter feito certinho...

ㅡ Eu não quero que se apresse, tudo bem? Tenha seu tempo, eu te espero.

ㅡ Mas eu quero. Eu... hm, quero saber como é.

Outra vez sorrindo, roubo-lhe um último selar e me afasto de vez.

ㅡ Quer viajar comigo? ㅡ encosto sobre a ilha.

ㅡ Viajar?

ㅡ É, no fim de semana. Só nós dois.

ㅡ E para onde?

Dou de ombros.

ㅡ Você pode escolher.

ㅡ Qualquer lugar?

ㅡ Qualquer lugar.

ㅡ Até para fora do país?

ㅡ Para onde quiser, amor.

Observo Jaejun sorrir e em seguida se pôr pensativo. Ele não conhece muito a Coreia, sei disso, quem dirá o mundo, Jaejun ainda não tem passaporte.

Algo que ele com certeza terá que fazer.

Mas onde quer que ele escolha, onde quer que seja o destino que ele diga, eu o levarei.

[Dias atuais]

ㅡ Eu deveria ter escolhido Europa.

Vendo Jaejun carregar sua mala pesada até o carro, ouço dizer aquilo e nego, sorrindo.

ㅡ Eu te disse qualquer lugar. Foi você quem escolheu Gyeongju.

ㅡ É a cidade onde minha mãe queria visitar no meu aniversário de dez anos.

Vendo-o colocar mais mala no carro, eu faço o mesmo, fechando o compartimento.

ㅡ Mas ela morreu antes disso... ㅡ Jaejun lamenta.

ㅡ Mas mesmo depois da morte dela você nunca foi?

ㅡ Eu fui morar com Su-ji, então você já sabe...

Assentindo e adentrando o carro, eu espero Jaejun adentrar e pôr seu cinto de segurança.

ㅡ Mas por que com dez anos? ㅡ torno a perguntar já guiando o carro por a estrada. ㅡ Por causa da herança histórica?

Jaejun assente rápido e eufórico.

ㅡ Mamãe sempre contava histórias antigas sobre o nosso país, e Gyeongju era a capital da coreia durante a dinastia silla, então ela dizia que me levaria para conhecer o museu nacional de Gyeongju e como eu me sentiria empolgado com tudo o que há lá.

ㅡ Eu não sabia que você gostava tanto de história assim.

ㅡ Eu sempre pensei em estudar história, e pensava em trabalhar com elaboração de materiais didáticos. Uma besteira...

ㅡ Claro que não. ㅡ repreendo-o. ㅡ todo e qualquer sonho é importante, meu bem, mas porque o interesse em trabalhar com elaborações didáticas?

ㅡ Sabe, quando eu era criança eu sempre pegava o livro de história e lia como se fosse um conto. Eu imaginava tudo que estava lá e passava horas assim, mas eu percebia que os outros alunos não se interessavam tanto. Sempre tive vontade de montar matérias cujo alunos, principalmente infantis, se interessassem. Imagina algo como abrir o livro e se deparar com situações trágicas, mas de forma escrita não cansativa? De forma que elas quisessem ler mais e mais? Era um sonho bom.

ㅡ E isso não te interessa mais?

ㅡ Eu não sei, Hyun. ㅡ diz sincero, repousando sobre o banco. ㅡ eu não pensei muito sobre isso depois que terminei o colégio. Eu vim direto para Seul e logo comecei a trabalhar, não tive tempo sequer de pensar a respeito.

ㅡ Mas agora você tem tempo, e tem a mim também, deveria seguir seu sonho, você fala dele com muita vontade, é nítido que a paixão sobre o assunto ainda está em você.

Jaejun permanece em silêncio por minutos e eu vacilo o olhar algumas vezes para analisá-lo.

ㅡ Eu vou pensar. ㅡ ele diz findando o silêncio. ㅡ Mas não irei te garantir nada.

ㅡ Você fará isso ou qualquer coisa por você Jaejun, eu apenas vou te apoiar sempre. Seja no que for.

Juntando os dedos aos meus, eu ouço Jaejun liberar uma pequena risada enquanto seu polegar brinca em minha mão.

Meus olhos ainda permanecem atentos à estrada até o aeroporto, mas meus ouvidos captam mais uma vez, o que faz meu coração derreter-se.

ㅡ Meu namorado é dez.

[...]

ㅡ Hyun, você segura a minha mão?

Olhando Jaejun prender e verificar se seu cinto de segurança está mesmo fixo, eu ouço-o perguntar aquilo.

ㅡ É quase a mesma coisa que o helicóptero, meu bem, estaremos seguros no ar.

ㅡ Não é nada, helicóptero voa mais baixo.

Eu perguntei se você queria ir de helicóptero, mas você não quis. ㅡ digo sem entender.

É que eu nunca andei de avião, e eu queria fazer isso como a primeira coisa de casal que faríamos.

Sorrio prendendo meu próprio cinto de segurança e aguardo a decolagem

Mas agora eu não sei se foi uma boa ideia. ㅡ Jaejun continua, respirando fundo enquanto seus dedos brigam entre si. ㅡ eu tô com dor de barriga, Hyun.

Isso é algo muito romântico a se dizer. ㅡ brinco, vendo-o abrir mais uma vez os olhos, cobrindo a boca logo em seguida. ㅡ Mas, obrigado por sua sinceridade. Eu vou te proteger, não fique nervoso.

ㅡ Não, Hyun, esquece o que acabei de dizer.

ㅡ Mas é uma verdade, oras.

ㅡ Não é não. Imagine que nojento dizer isso num momento tão legal nosso.

Mas isso é normal, Jaejun, todo o ser humano tem dor de barriga e faz...

Se você não findar esse assunto agora mesmo, pode esquecer que estamos planejando fazer amor.

Outra vez eu rio de sua fala desesperada e não sou capaz de dizer outra coisa.

Acomodo-me melhor na poltrona espaçosa da classe executiva e ouço Jaejun bufar. Levando meu olhar para ele, vejo-o frustrado.

ㅡ O que foi? ㅡ pergunto.

Por que escolheu classe executiva? Você tá muito longe de mim, eu queria deitar no seu ombro... ㅡ faz bico.

Somente pensei em nosso conforto, me desculpe. Mas, a viagem é rápida, apenas uma hora e você poderá deitar aonde quiser.

Hyun... ㅡ Jaejun chama rindo baixo, tão sapeca que faz-me ergue uma de minhas sobrancelhas sem entender. ㅡ Você está se tornando um boiola, sabia?

Boiola? ㅡ franzo o cenho. ㅡ mas eu sou gay, não é novidade.

Não, amor, o contexto de boiola mudou. ㅡ explica baixo. ㅡ Antigamente era-se usado o termo boiola para ofender, e realmente, os homossexuais eram os alvos, mas hoje significa que você é todo derretidinho por algo.

ㅡ Então isso quer dizer que me tornei uma pessoa derretida por você?

Jaejun assente, sem vergonhas nem nada.

ㅡ Um boiola. ㅡ ele rir. ㅡ eu sou desde quando te vi. Se lembra que eu te chamei de lindo quando perguntou meu nome?

ㅡ Você me conquistou naquele momento. Seus olhos estavam tão brilhantes...

Ele sorri, mas se assusta com o som dos motores do avião sendo ligados.

Ligeiramente me esguio para prender seus dedos com os meus, e chega a doer a força que ele usa para apertar-me.

Seus olhos se fecham com força e até que o avião esteja planando com um pouco mais de estabilidade, é assim que nos mantemos.

ㅡ Ei. ㅡ chamo baixo, vendo-o fechar os olhos com força. ㅡ já passou.

demora, mas primeiro abre seus olhos vagarosamente até soltar todo o ar que prendia, liberando minha mão, olhando através da janela.

ㅡ Minha santa Beyoncé, Hyun, nós estamos muito alto!

ㅡ Quê?

Hã? ㅡ Jaejun me olha e logo sorri nervoso. ㅡ Ah, é a santa do Jackson.

Negando, eu busco meu notebook para apenas responder alguns e-mails pendentes.

ㅡ Irão nos servir bebida, se não quiser pode recusar. ㅡ aviso a Jaejun.

com álcool? ㅡ ele pergunta.

ㅡ Possivelmente seja champanhe, então sim, tem álcool.

Jaejun assente outra vez, encolhendo as mãos entre as pernas e mordendo o lábio enquanto olha outra vez pela janela do avião.

Desvencilhando-me por instante dele, respondo os e-mails com rapidez, perdendo-me em apenas um que sequer se trata de trabalho.

Meus olhos sequer piscam junto a cada palavra que digito, sequer dando atenção ao chamado vindo de fora.

ㅡ Hyun!

a voz de Jaejun faz-me despertar, e virando o olhar, vejo uma das comissárias de bordo

ㅡ O senhor aceita champanhe?

Desvio meu olhar a Jaejun e vejo-o já com uma taça na mão, fazendo careta ao sentir o gosto, mas sorrindo quando toma ainda mais.

ㅡ Não, obrigado. ㅡ respondo.

A mulher assente, despedindo-se e indo, e meus olhos sequer deixam a imagem de Jaejun como uma criança animada.

Essa é docinha. ㅡ ele diz, bebendo mais.

Mas é forte, então cuidado com

ㅡ Tudo bem, não tem muito.

Vendo-o tomar quase todo o líquido de uma só vez, volto a digitar e enviar meu e-mail

a resposta, mas essa não vem com a rapidez que espero, então resolvo deixar de lado e volto a relaxar sobre a poltrona, ouvindo o riso baixo de

vejo-o me encarar e sorrir de

fazer xixi. ㅡ ele diz num

ir. ㅡ falo. ㅡ quer ajuda com o

Ele nega.

Vou esperar pousar. Deus me livre de desgrudar minha bunda

ir, Jaejun, o avião não vai

Não vai mesmo. Mas mesmo assim, prefiro esperar e fazer xixi no

admirado com a altura em que estamos, eu perco o restante do tempo até chegarmos a nosso destino somente

quando desembarcamos, rio ao precisar abraçá-lo e

Quem fica bêbado com uma taça

e abraça ainda mais meus braços. Estamos caminhando assim desde quando descemos, e é até melhor, pois Jaejun vez ou outra troca os pés, e eu não quero meu namorado estatelado no

Eu não tô bêbado! ㅡ diz ㅡ estou

de si, olhando ao redor para ver onde está o carro no qual pedi para que fosse reservado para mim. E assim que o encontro, continuo andando vagarosamente com

ainda segura em mim com força. Talvez até ele mesmo entenda que não consegue se manter por muito tempo de pé sozinho, então eu faço o meu máximo quando busco nossas malas e as carrego com apenas uma mão, e é pior ainda para guardá-las quando busco a chave do carro e preciso colocar as malas dentro do porta malas, colocando Jaejun em seguida no banco do

Que cachacinha safada... Foi só umazinha. ㅡ ele diz. ㅡ eu nunca fico assim quando tomo

sei. ㅡ sorrio prendendo o cinto de segurança nele. ㅡ é que champanhe é forte mesmo, você não está

seus olhos em minhas mãos que verificam se de fato o cinto está preso, e quando finalizo, ele fecha os olhos e diz antes de fazer um

ㅡ Me dá um beijinho?

de si e deixo um selar em seus lábios. Ele sorri atrevido como tal, e observa-me fechar a porta de seu lado para enfim dar a volta e sentar no banco

que vamos fazer hoje? ㅡ pergunta quando outra

que você vai dormir. E eu aproveito e respondo outros e-mails que estão no aguardo de

Mas Hyun, é a nossa viagem de namoro, não pode

Eu não sabia disto. ㅡ falo parando em um sinal vermelho e o olho. ㅡ Se soubesse, juro que o deixaria meu computador em

seja por isso, eu o guardo. Eu quero ficar o tempo todinho como um coala

Coala? ㅡ sorrio voltando a dirigir, verificando a rota em que o GPS

É, agarradinho. ㅡ diz simples, suspirando cansado, fechando os olhos quando a leve brisa adentra a

ㅡ Está realmente cansado, não é?

ainda calmo. Jaejun mantêm os olhos fechados e o sorriso no rosto, mas os abre e nega para minha

ㅡ Podemos ir para lá?

aponta, mostrando-me um grande morro verde. Rapidamente verifico se há como chegar lá com o carro pelo GPS e

para estacionarmos em baixo e subimos

ㅡ E tudo bem pra você?

sinalizando com a seta para o lado em que Jaejun

tudo no carro e subimos lado a

claro, eu com ele abraçado outra

Por que quis vir aqui? ㅡ pergunto controlando a respiração, sentindo-me cansado com tão

ㅡ Por ela.

apressar o passo, Jaejun desgruda de mim e é o primeiro a chegar ao topo, respirando igualmente cansado, mas ainda

ao seu lado, vejo a forma em como outra vez ele fecha os olhos, sentindo o

tinha razão, Hyun. ㅡ fala, devagar virando-se para mim. ㅡ mamãe sempre disse que quando me trouxesse aqui, me faria subir no morro mais alto e mostraria com a brisa é

próprios olhos, sinto a brisa vir, arrepiando todo o meu

ㅡ Ela tinha razão.

ㅡ Ela sempre tinha...

Sente-se bem ao lembrar dela, não

quando a lembrança é boa. ㅡ Jaejun diz e senta-se na

ainda olho ao redor preocupado com insetos, mas sento ali também, aproveitando para segurar sua mão e deixar um beijo no

Mas quando as lembranças são sobre aquele dia, ainda

Fala do dia em que

Do dia em que ela se matou... ㅡ ele