Bela Flor - Romance gay Capítulo trinta e dois

sprite

POV: Jaejun

Sentado sobre os lençóis brancos e finos, eu observava Hyun-suk dormir.

Me sentia em paz, mesmo depois do dia anterior, do meu choro e toda minha tristeza, me sentia em paz porque ele me transmitia aquilo.

Dormir a noite abraçados, me dava calma. Mas agora, o olhando, eu tinha um sorriso pequeno nos lábios enquanto via como os deles se abriam e fechavam com o ronquinho baixo que ele deixava escapar.

Suas mãos estavam em volta do travesseiro, mas sua bochecha era esmagada bem ali.

Suspirei completamente bobo.

Não era constante, mas suspirar por Hyun-suk vinha se tornando algo que estava acontecendo mais, muito mais.

Mas haviam motivos, e o primeiro deles foi fazer o pedido do café da manhã especial de casal, imaginando como Hyun-suk iria reagir ao vê-lo. E bem, ainda estou aguardando que isso seja entregue, por isso estou velando o sono dele e torcendo muito para que não acorde agora.

E o segundo, bem... Esse é meu nada normal "grupo de amigos".

Meu celular estava em minhas mãos, e eu pensava e repensava se mandava uma mensagem no grupo ou não, sabia como eram espalhafatosos, mas eram as melhores pessoas para me ajudar.

E pensando pelo lado positivo, optei por enviar a mensagem.

Jae:

|Bom dia!

|Não queria incomodar vocês, mas preciso de ajuda!

Tae:

|Com o quê?

Jae:

|Com "aquilo"

Yejun:

|Outra vez, Jaejun?

Tae:

|Ele está falando da chuca?

Yejun:

|O que você acha?

Tae:

|Mas ele já não fez aquele outro dia?

Jae:

|Aquele dia foi só um teste, agora é pra valer.

Yejun:

|Mas a gente já falou tanto sobre isso, não tem diferença.

Minah:

|Inclusive, falamos sobre isso ontem.

|Bom dia.

Jae:

|Mas gente, por favor...

Tae:

|Ok, chamem o profissional no assunto, eu não quero mais falar disso.

Rini:

|Yejun, ele está com você?

Yejun:

|Não. Mas, @Jack há uma urgência aqui! Precisamos de você.

Eu sorrio ainda mais para o rápido fuzuê que meus amigos fazem, e espero ansiosamente a chegada da melhor pessoa a me instruir no assunto.

Jack:

|Quem perturba a rainha?

Tae:

|O viado mais emocionado do grupo.

Jack:

|Ah não, Jaejun... outra vez?

Jae:

|Por favor!

Jack:

|É a chuca de novo?

Jae:

|Eu só preciso fazer direitinho.

Jack:

|Quando nos tornamos amigos eu não imaginei isso, mas ok. Vou te mandar um áudio explicando tudo sobre como fazer a chuca de novo.

Sorrio outra vez, enfim me afastando de Hyun-suk, e caminho até a janela da sala na qual nós proporciona a visão ampla da cidade.

Jackson e todos do grupo já cansaram de me ensinar tintim por tintim sobre esse assunto, mas mesmo tendo eles, e mesmo tendo instruções na embalagem que a propósito eu fiz questão de guardar, hoje é diferente, muito diferente.

Hoje é pra valer!

Então ouço o áudio que Jack envia no volume baixo, vou até o armário onde arrumei minhas roupas e busco o objeto que está bem no fundo. Com ele em mãos, sigo as instruções de Jackson apenas como teste, assentindo quando constato que não há nada ali cujo eu já não sabia.

ㅡ Obrigado, Jack. Amo você.

Respondendo-o com outro áudio, bloqueio o celular e encaro o objeto em minhas mãos. O frio na barriga é certo, o medo também, mas a ansiedade é o pior.

ㅡ Não é difícil, você já sabe disso. ㅡ falo comigo mesmo, respirando fundo.

Torno a guardá-lo e espero o café da manhã ser entregue primeiro.

Não demora mais que vinte minutos para que ele chegue, e meus olhos crescem de tamanho quando junto a tudo, um enorme buquê de rosas enfeita tudo.

ㅡ Mas eu não pedi flores. ㅡ digo ao funcionário do hotel.

Ele busca-as e me entrega em mãos, explicando-se:

ㅡ São para o senhor, senhor Jeon. Senhor Park as encomendou ontem e pediu para que fossem entregues hoje junto ao café da manhã.

Ofego e encaro as flores tão bonitas.

A surpresa? Meu namorado é realmente um namorado dez.

Roubo apenas uma flor do buquê e sinto o perfume adocicado. Ainda vendo Hyun-suk dormindo, coloca-a dentro de um pequeno copo, enfeitando o centro da mesa no qual fiz questão de deixar o mais bonito possível.

Com tudo pronto, é hora de acordar Hyun-suk, e essa parte custa, mas somente por minha culpa.

Eu volto a deitar sorrateiro ao lado dele e perco minutos olhando-o.

Hyun-suk é simplesmente o homem mais lindo que vi em dezenove anos.

E não é porque ele é meu namorado, é porque é apenas um fato mesmo.

Aproximo minha boca de seu queixo e deixo um selar manhoso ali. Hyun-suk resmunga, mas apenas busca meu corpo e aperta minha cintura, colando-me em si em um abraço.

ㅡ Acorda dorminhoco... ㅡ sussurro, tocando meu indicador em seu nariz.

O bico logo é formado, enquanto os olhos preguiçosos se abrem devagar.

ㅡ Estou no céu? ㅡ ele pergunta. ㅡ tem um anjo bem a minha frente.

Nego, vendo-o sorrir com metade de seu rosto ainda amassado.

ㅡ Tenho uma surpresa para você. ㅡ aviso baixo, deixando outros beijos por seu queixo.

Hyun-suk resmunga mais, me apertando a cada novo beijo, mas afunda a cabeça em meu pescoço e deixa um pequeno selar ali, me soltando em seguida.

ㅡ Eu também tenho. ㅡ ele diz.

ㅡ Eu sei, já recebi.

Apontando para o buquê a poucos metros de nós, Hyun-suk encontra-o e sorri.

ㅡ Você gostou?

ㅡ Muito. ㅡ digo e beijo sua testa. ㅡ irá me acostumar mal assim.

ㅡ Você merece muito mais que isso, meu bem.

Apenas alguns minutos de conversa com Hyun-suk e meu coração já bate aquecido dez vezes mais, ficando completamente rendido.

ㅡ Levanta... ㅡ peço, me colocando de joelhos na cama. ㅡ preparei a mesa para nosso café da manhã.

Hyun-suk boceja, mas se ergue para sentar-se sobre a cama. Seus olhos ligeiramente vão para a mesa.

ㅡ Pedi café puro e geleia de pêssego. ㅡ digo, já sabendo de alguns costumes que ele tem pela manhã. ㅡ do jeito que você gosta.

ㅡ Você que irá me acostumar mal. ㅡ ele diz sorrindo, mas se ergue. Sigo-o e o abraço por trás, parando perto da mesa com ele. ㅡ a mesa está linda, Jaejun.

ㅡ Tudo para você, amor. É um pedido de desculpas pelo que fiz ontem e também um de agradecimento por você ser o melhor namorado de todos também.

Hyun-suk me olha sobre o ombro com seu típico semblante um pouco sério demais, mas então ele nega ao se virar e me abraça pelos ombros, deixando um beijo na ponta do meu nariz.

ㅡ Não agradeça ou se desculpe por nada, tudo bem? Se eu sou seu namorado agora, é meu dever cuidar de você.

Me sinto um bobo, mas assinto, confortado pelos braços dele outra vez.

Quando Hyun-suk pede licença para ir ao banheiro fazer suas necessidades e higiene matinal, sento-me numa das cadeiras e encaro tudo aquilo, ainda me lembrando do momento em que tivemos juntos e como eu chorei de forma tão dolorosa.

Lembrar da minha mãe quase sempre é difícil, mas com Hyun-suk tem se tornado frequente. E todas as vezes que isso acontece ele é obrigado a enxugar minhas lágrimas.

E ontem ele enxugou todas elas sem deixar que sequer meu rosto ficasse lavado por minha tristeza e saudade.

Mas respiro fundo e vejo a porta do banheiro se abrir. Hyun-suk enxuga o rosto naquele instante.

ㅡ Hyun, o que quer fazer hoje? ㅡ Pergunto.

Hyun-suk se aproxima.

ㅡ Pensei em irmos ao museu.

Assinto, vendo-o ir até à mesa de cabeceira para buscar o celular. O espero calmamente, mas me frustra um pouco quando o vejo daquele modo, com os olhos tão vidrados na tela enquanto o espero para comer.

Mas tento não ser um namorado chato e só o espero. E quando ele enfim retorna, ele traz o aparelho consigo.

Penso que enfim vou ter meu namorado só para mim, comer cada coisa que escolhi com muita dificuldade para agradá-lo nas primeiras horas do dia, mas uma notificação chega e ele volta a dar atenção ao aparelho.

Suspiro e apoio minha bochecha sobre a mão, encarando-o enquanto continuo esperando.

Não vou começar a comer enquanto ele sequer dá atenção a nada além daquilo, mas após alguns minutos em silêncio, acho que ele se lembrou que eu ainda estava aqui, e quando seus olhos se ergueram e me encararam, seu sorriso sem jeito deu as caras, fazendo-o bloquear o aparelho e deixá-lo um pouco de lado.

ㅡ Desculpe-me, foi só uma coisa do...

ㅡ Trabalho, sei bem. Mas estamos em descanso, se lembra?

ㅡ Desculpe.

Desta vez ele sorri e olha a mesa com cada coisa ali.

ㅡ Ficou muito bonita.

Sorrio pequeno, buscando o café para servi-lo primeiro. Hyun-suk agradece, buscando um pedaço pequeno de queijo para deixar em minha boca.

Começamos a comer, enquanto nenhuma outra notificação foi capaz de interromper nosso momento.

ㅡ Qual museu você quer ir? ㅡ Hyun-suk perguntou.

Pensei em alguns que eu sempre quis conhecer e foi muito difícil escolher apenas um.

Mas Hyun-suk parecia não se importar muito com a escolha, ele parecia conhecer todos, e só estava contente com o fato de que eu conheceria a cultura dali também.

Depois que comemos, Hyun-suk pediu um minuto para resolver coisas em seu celular, mas aquele único minuto se tornou horas.

Ainda tentei me aventurar a dar um passeio aos arredores do hotel apenas para me distrair e deixar com que ele resolvesse aquilo de toda uma vez.

O fiz prometer que aquela seria a última vez, se estávamos numa viagem de namorados, trabalho não deveria tomar a maioria do tempo que tínhamos, mesmo eu sabendo como o dele é mais importante do que o meu.

ㅡ Eu não quero parecer egoísta, Hyun... ㅡ digo me aproximando de si. Hyun-suk está sentado na beirada da cama e segura em minhas coxas quando paro a sua frente. ㅡ só quero que essa seja a nossa viagem, sem nada para atrapalhar.

ㅡ Tudo bem, eu não vou mais tratar de trabalho enquanto estivermos aqui.

ㅡ Você pode tratar, mas só se for bem rapidinho. ㅡ digo sorrindo e o vejo assentir.

Me aproximo para deixar um beijo em seus lábios, mas rio alto quando o sinto me puxar e assim me jogar sobre a cama, cobrindo meu corpo com o seu.

ㅡ Vamos nos arrumar para sair?

Assinto e o sinto me beijar antes de se erguer.

Peço para ser o primeiro a tomar banho e levo meu celular comigo para ouvir música, mas busco também minha ducha e o lubrificante quando finjo separar uma roupa para usar, e quando estou no banheiro prestes a respirar fundo para começar aquilo, assusto-me com a notificação de Jackson e sorrio ao ler a mensagem que lá está.

Jack:

|E então, conseguiu ou preciso chamar os bombeiros?

Jae:

|Vou fazer agora.

Jack:

|Quer fazer uma chamada de vídeo?

Jae:

|Fazer uma chamada de vídeo para você me ver fazendo a chuca?

Jack:

|Você precisa de ajuda, não é?

Jae:

|Não tanto assim. Aliás, eu vou fazer aqui e daqui a pouco te digo o resultado.

Jack:

|Tudo bem, vou estar torcendo para você. Boa chuca!

Nego rindo e deixo o celular sobre a bancada enquanto toca um pop qualquer. Em seguida, encarando o troço mais uma vez, e vou até à torneira para encher a ducha de água até ver a marcação que há nela.

ㅡ Certo... Agachado ou de cócoras? ㅡ pergunto a mim mesmo, pensativo.

Analiso cada centímetro do banheiro e decido fazer bem ali, de frente o

Retiro o calção de pijama que uso junto a cueca, e respiro fundo antes de tirar a camisa.

Completamente nu, torno a olhar o produto e busco o celular outra

Jae:

|Não seria melhor tomar banho antes?

Jack:

|Você ainda não tomou banho hoje?

Jae:

|Não.

Jack:

|Credo, são quase meio-dia!

Jae:

|Aigoo, eu vou tomar, mas eu quero saber se é melhor antes ou depois?

Jack:

|Você decide, ué.

Não tendo paciência para mandar Jackson ir se foder, então devolvo o celular à bancada e vou logo para debaixo do chuveiro. Tomo uma ducha rápida, sequer demora mais que um minuto, mas me limpo direitinho. Então, assim que sinto que está suficiente, volto a buscar a ducha, respirando fundo uma última vez.

ㅡ Ok... Agora vai.

Busco o lubrificante, abrindo-o e depositando uma generosa parte sobre o bico no qual adentrará meu corpo. Em seguida, passo sobre meus dedos indicador e médio e levo-os até minha intimidade, lambuzando-a e sentindo o arrepio que a ansiedade causa junto a sensação gelada que aquilo traz.

ㅡ Certo... ㅡ digo outra vez, apenas para me concentrar.

recipiente até o lugar onde deve ir, engulo em seco quando empurro devagar.

Não dói como sei que o sexo com penetração dói, mas incomoda, e as batidas frenéticas de meu coração atrapalha tudo.

ㅡ Jaejun?

Meus olhos se arregalam, fazendo por impulso minha mão retirar a ducha sem antes eu sequer empurrar a água que está ali.

ㅡ O-oi.

ㅡ Está tudo bem? Está tudo tão quieto.

ㅡ Está sim, Hyun. Eu só estou... ㅡ penso em bolar algo para dizer, mas o quê?

Hyun-suk faz silêncio e quando penso que ele se foi, ouço-o perguntar:

Tem papel higiênico ai? Se não tiver eu pego.

É sério, Deus me odeia!

Sentindo minha pele esquentar e possivelmente vermelho como a cor dos meus cabelos, reúno a pouca coragem que ainda me resta para dizer:

ㅡ C-claro, mas não precisa, aqui tem.

ㅡ Tá bem.

Ouço os passos de Hyun-suk se afastando e fecho meus olhos para retomar minha sanidade.

Meu corpo treme de leve, mas minha vontade ainda se mantém firme.

Então, limpo o bico cujo já havia adentrado meu corpo e até troco a água dali por outra limpa. Outra vez passo lubrificante no objeto, e em seguida, passo em mim também.

me abaixar, ficando de cócoras, e encaixando o bico em mim,

Admito que nesta posição encontrei mais facilidade, mas não quero pensar muito em nada porque chega a ser constrangedor e no segundo seguinte um arrepio sobe pela minha espinha, meus dedos se apertam na borracha macia e apenas sinto a água me adentrar.

Outro ponto, isso é estranho pra caralho de sentir!

e dá para sentir corretamente a água passear por aí, e quando ela preenche o que tem que preencher, a sensação é ainda mais agoniante.

orientações de Jackson e do manual, eu logo me ergo, sentando no vaso sanitário. Espero alguns segundos, e só depois, libero o líquido preso.

Não tenho coragem de olhar o que sai de mim, então apenas dou descarga e refaço o processo para limpar a ducha e repetir todo o processo outra vez.

A limpeza demora alguns minutos, pois há necessidades de repetições, e apenas quando tenho coragem e vejo a água sair limpinha de dentro de mim, sei que já chega e

Mas então eu busco meu celular, abrindo a conversa com Jackson para dizer como tudo deu certo, e vendo-o responder, caio na gargalhada que com certeza é alta o suficiente para Hyun-suk ouvir lá de onde quer que esteja.

Jack:

|Viado! Hoje você com certeza vai dar muito!

|Que orgulho do meu garotinho, olha só,

|Se precisar de mais alguma ajuda, é só pedir, ok? Eu te amo muito, muito, muito.

e enfim resolvo tomar banho de verdade. Ainda sinto meu peito acelerar, mas me foco em ficar o máximo cheiroso que der, então uso a grande maioria dos produtos chiques que tem na nossa suite.

me sinto muito nervoso. O motivo? Talvez o pensamento de que enfim vou ter minha primeira vez de verdade na vida, e ela será com um homem!

Aliás, com o meu homem.

com medo de Hyun-suk, isso me deixa um pouco mais tranquilo. Mas estou com medo de mim mesmo. De como irei agir, ou de onde colocar terei que pôr a mão quando ele enfim...

Será que eu devo gemer ou irá doer tanto que sequer sentirei prazer? Será que devo chamá-lo de senhor como sempre fazemos? Ou Hyun-suk não irá encarar isso como uma das nossas práticas e fará isso com mais calma?

Será que faremos sexo ou amor?

são esses pensamentos que me fazem ser uma bagunça gigantesca. São eles que me fazem entrar

resolvo sair do banho, visto que já se passou minutos demais e Hyun-suk com certeza deve achar que eu já morri e desci pelo

cada coisa que levei para o banheiro e tento esconder a ducha junto às roupas que tirei, assim abrindo a porta para ver Hyun-suk deitado na cama, apenas

eu saio, ele se ergue

Está tudo bem? ㅡ Ele

cenho e assinto, indo até o armário para guardar meus

Tem certeza, Jaejun? ㅡ ele insiste. ㅡ Está com dor de barriga? Pode falar amor, não precisa ter vergonha. Se precisar, vamos a um

ㅡ eu rio sem jeito e guardo minhas coisas, indo até à cama para vestir minhas roupas que estão separadas ali. ㅡ está tudo

ouvi você dar inúmeras descargas no vaso. Se for piriri eu posso mesmo te levar ao

claro apenas uma coisa: intimidade é uma

outra vez, mas não o olho. Apenas me visto ligeiro e sigo para pentear os meus

do assunto e agradeço

animado? ㅡ Hyun-suk pergunta se chegando pertinho de

abraça por trás e deixa um beijo em meu ombro, olhando nossos reflexos juntos

assinto, ainda penteando meus fios para secar em

ㅡ Estou muito.

ㅡ Você está lindo, sabia?

imagem e nego, franzindo

Meu cabelo está quase rosa, preciso pintar logo, isso não me deixa muito

É claro que deixa, mas podemos ir a um salão, o que me diz? Preciso retocar minha

olhos vão ligeiros para os cabelos de Hyun-suk. A raiz escura contrasta com o loiro iluminado cujo ele tem desde que

vezes em como Hyun-suk deve ser bonito com seus cabelos naturais

na verdade não é o cabelo que o faz

certeza ficaria lindo até

Você conhece algum salão da região? ㅡ pergunto, me virando para

hotel possui uma lista com lugares para ir. Ligarei e marcarei horário em algum salão recomendado para

para que ele faça isso porque preciso me sentir bem com os meus cabelos ruivos por tintura, vejo Hyun-suk caminhar e contatar o hotel pelo telefone, pedindo um horário para

Em vinte minutos? ㅡ ele pergunta me olhando e faço sinal de positivo. ㅡ ok, pode marcar. Park Hyun-suk e

algo que o atendente lhe diz, ele desliga o aparelho

descer? Podemos tomar algo até o horário

a única coisa que penso em tomar hoje

quero suco de uva, Hyun. ㅡ digo

suas coisas e espera que eu faça

de mãos dadas descendo pelo elevador

são sutis os olhares que recebemos a cada passo que damos, mas Hyun-suk parece sequer se importar. Eu ainda sinto o incômodo vir ao trazer toda essa atenção para nós, e me incomoda ainda mais saber que a maioria dos olhares são completamente de

ligue. ㅡ ouço Hyun-suk dizer quando olho nos olhos de um homem que passa bem a nossa frente e tem o nariz franzido. Ele me leva para perto de si e deixa um beijo no dorso da minha mão quando a ergue ainda junto da sua. ㅡ não somos nós o

si, assentindo, caminhando ao seu lado até o bar

quem faz nosso pedido, e vira de lado para mim quando nos sentamos nos bancos perto do balcão, apenas para me olhar e tocar sobre minha

ㅡ Você está mesmo lindo.

Hyun-suk e seus inúmeros elogios... ㅡ comento. ㅡ será que um dia tudo isso

Creio que nunca acabará, meu bem. ㅡ ele responde. ㅡ mas caso aconteça, este dia eu já não terei mais meu coração batendo, então, por agora, vamos aproveitar,

sentindo o carinho sutil que ele faz em minha coxa, e suspiro ao senti-lo apertar firmemente quando crava seus olhos sobre os meus. Suspiro pesadamente, fraco com o que ele me faz sentir com apenas um toque

O que quer fazer a noite? ㅡ Hyun-suk pergunta quando nossos sucos chegam, entregando-me o de

canudo e sinto-me tímido enquanto penso em tudo o

fazer uma coisa. ㅡ digo baixo, aproximando-me um pouco de si. ㅡ com

não demonstra surpresa ao ouvir-me, mas assente calmamente, tomando de seu próprio suco antes

ㅡ O quê?

modo em como meu coração acelera ao ouvi-lo perguntar, mas sequer sou capaz de responder. Minhas bochechas queimam

Você está rosado. ㅡ Hyun-suk diz tocando meu rosto. ㅡ O assunto parece te

pouco. Mas... vamos falar sobre isso só à noite,

ㅡ Tudo bem.

ㅡ E... Hyun?

ㅡ Hm?

Podemos pedir um vinho? Para a noite. Pode ser o

sei se eles servem Château d'Yquem 1847, mas se servirem, claro, pedirei. Mas por quê? Para quê o

só quero que hoje seja uma noite especial... ㅡ digo

assente, dando-me um bonito sorriso antes de chamar o garçom que nos serviu apenas para perguntar sobre

o porquê de Hyun-suk ter que assinar o pedido do vinho, já que todos os nossos pedidos fazemos por telefone, mas vi-o assinar, e em seguida fazer o pagamento com seu cartão, buscando o comprovante que lhe foi

terminamos os sucos, caminhamos abraçados até a portaria que entregariam o carro. Eu me mantenho curioso, e não consigo me segurar por muito tempo, então, assim que adentramos o carro, ponho o cinto de segurança e viro

ㅡ Por que teve que assinar?

põe seu cinto, e dá partida

Porque é um vinho importado, meu bem. Há poucas garrafas no hotel. Aquele foi um termo de aquisição que tive que

o papel que te

recolhe o papel em seu bolso,

É o certificado de autenticação, e também é