Bela Flor - Romance gay Capítulo trinta e nove

sprite

POV: Jaejun



Era dia de visitar a vovó.

Havia acabado de sair do trabalho e retirava a gravata enquanto esperava no ponto de ônibus.

Aquilo me pinicava um pouco, eu odiava ter que usá-la e amava tirá-la, mas após o tempo que já trabalhava, havia meio que me acostumado, e o fato Hyun-suk ter me arrastado até sua casa para tirar minhas medidas junto a si com o alfaiate que ele disse ser o melhor, eu me sentia mais à vontade com a ideia de que logo teria roupas mais confortáveis para aguentar um dia longo de trabalho.

O ônibus não demorou muito. Durante a viagem tentei ouvir um pouco de música, mas sorri quando entre as mensagens que eu respondia, havia uma dele de alguns minutos atrás perguntando como eu estava.

Jaejun:

|Estou bem, Hyun. Acabei de sair do trabalho, estou indo ver a vovó.

Hyun-suk:

|Hoje é o jantar mensal de gala?

Jaejun:

|É sim.

O jantar mensal, algo que eu só havia ido uma vez apenas, mas já havia gostado muito. Basicamente era um jantar no maior salão da clínica. Tudo ficava enfeitado e os idosos vestiam suas melhores roupas. Vovó vestiria um vestido que eu mesmo havia comprado, ela com certeza iria ficar linda.

Hyun-suk:

|Então acho que é um bom dia para ela receber um presente.

Jaejun:

|Um presente? O que é?

Hyun-suk:

|É uma surpresa, você logo verá.

Minha curiosidade aflorou. Olhei através da janela e ainda faltavam muitos quilômetros até eu realmente descobrir.

Jaejun:

|Nem uma dicazinha?

Hyun-suk:

|Não, você verá quando chegar.

Bufei e não pude digitar mais nada. Odiava o fato de ser curioso, mas Hyun-suk brincava com isso até me irritar às vezes.

Ergui-me rápido quando o ônibus parou na parada da clínica e sorri grande quando ajeitei o terno e guardei a gravata na bolsa. Tentei sentir meu próprio odor, não estava fedendo ou suado, mas ainda assim me preocupava não chegar devidamente apresentável para sentar ao lado da vovó na mesa. Ela falaria um monte e não me exibiria para os outros como o neto brilhante que ela tinha.

Isso fazia meu ego inflar um pouquinho.

Passei pelos portões da clínica, cumprimentando a recepcionista e busquei o broche que todos os visitantes com parentes ali deveriam usar na noite, o encaixando sobre a camisa preta e social que usava.

O jardim estava bonito. Luzes enfeitavam as árvores e os arbustos. Música clássica tocava num volume brando e tudo tinha cheiro de colônia de flores.

O típico cheirinho de idoso.

Passeei meus olhos por todos ali, procurando pela vovó. A encontrei rápido, ela estava ao lado de Hyubin, sua cuidadora particular, mas me surpreendeu ela estar sentada num dos banquinhos de madeira do jardim, conversando com um homem vestido num terno inteiramente branco.

Franzi o cenho, não reconheci de imediato, mas arregalei os olhos ao enfim perceber que era Hyun-suk ali.

ㅡ Hyun? ㅡ me aproximei mais rápido.

Ele ergueu o rosto, me dando um sorriso genuíno. A vovó também sorriu ao me ver, se erguendo com calma enquanto abria os braços para me receber.

E é claro, eu não perdi tempo. Entreguei-me aquele abraço caloroso e suspirei, perdido ali. Era o que eu mais tinha perto de um "amor materno" e era bom.

ㅡ Que bom que chegou, meu neto. Estava com saudade de você. ㅡ ela falou, tocando o meu rosto com ambas as mãos, ainda sorrindo contente.

Não fazia muito tempo desde que eu havia ido vê-la, mas também já estava com saudade.

ㅡ Vim te acompanhar no jantar, vovó. Estou bonito?

Ela me olhou de cima a baixo, o que me fez sorrir e dar uma voltinha.

ㅡ Está muito bonito, e está combinando com o seu namorado.

Olhei para Hyun-suk, minhas bochechas queimando por ela usar a palavra "namorado" sem nenhum preconceito no meio.

ㅡ Ele está todo de branco, vovó. Eu estou de preto.

ㅡ É, mas ainda assim combinam.

Encarei os olhos do Hyun outra vez. O sino baixo tocou, ele avisava que todos precisavam se reunir na mesa, pois logo o jantar seria servido.

A vovó adentrou primeiro junto a cuidadora, ambas estavam bonitas, vestidas com vestidos dignos de baile, e me enchia o coração ver como a vovó havia gostado do presente que eu havia escolhido para si.

E enquanto elas iam, aproveitei para me aproximar sorrateiro do meu namorado e lhe abraçar, suspirando em pura saudade. Já fazia dias que não o via.

ㅡ Você está bonito. ㅡ ele disse.

ㅡ Você quem está! Porque não me disse que viria aqui?

ㅡ Porque era uma surpresa, queria ver esses olhos lindos arregalados quando me visse.

ㅡ Então você era o presente?

ㅡ Digamos que sim. ㅡ e riu baixo, me roubando um beijo ligeiro.

Adentramos o lugar também, sendo guiados até o salão principal. Mas não conseguimos chegar até lá, um chamado de voz conhecida me fez parar.

Ou melhor, congelar.

ㅡ Jaejun, você está me ouvindo!

Virei-me sentindo meu coração acelerar. Su-Ji estava lá. Era ela, em carne e osso e me olhava de maneira que antes jamais havia feito. Os seguranças fechavam a passagem, mas ela me olhava como a primeira vez que ela me olhou após a morte dos meus pais.

Ela me olhava de uma forma humana.

ㅡ Por favor, peça para que eles me deixem entrar. Eu quero ver a vovó, Jaejun.

Meu coração doeu ao vê-la daquela forma.

ㅡ Hyun... ㅡ chamei baixo por Hyun-suk, segurando seu braço, sentindo medo.

ㅡ Como ela se atreve a vir até aqui? ㅡ Hyun-suk perguntou e deu um passo em direção a ela, travando a mandíbula e as mãos em punhos.

O segurei, negando para quando ele me olhou.

ㅡ Não vá. Deixe-a.

ㅡ Eu quero ver a minha mãe, eu tenho direito a isso! ㅡ Su-ji fez questão de gritar aquilo, mudando completamente seu tom e seus olhos. Causando burburinho nas pessoas que ainda adentravam o salão.

Hyun-suk soltou vagarosamente a minha mão em si e arrumou o terno branco que usava. Com um respirar profundo, ele deu passos leves até onde a mulher estava, e encarou os seguranças que agora a seguravam.

ㅡ A levem para fora desse lugar, não estão vendo como essa mulher está perturbada, ele veio apenas para causar estresse naqueles que estão aqui para descansar!

Os homens assentiram, puxando Su-ji para fora, mas ela se manteve firme.

ㅡ Como ousa falar assim comigo? Seu riquinho de merda, você nem me conhece!

ㅡ Ah, eu conheço sim, sua ladra mau caráter! ㅡ Hyun-suk cuspiu aquilo na cara dela. Seus olhos passearam pelas pessoas ao redor. De modo baixo, Hyun-suk se desculpou pelo transtorno. ㅡ Levem-na daqui.

Su-ji tentou se soltar dos seguranças e até conseguiu um pouco. Com a mão livre ela tentou agarrar Hyun-suk, mas tudo o que ele fez foi rir, dando um passo para trás enquanto via a mulher surtar.

ㅡ Jaejun? ㅡ A voz da minha avó me fez virar. ㅡ Meu neto, o que está acontecendo?

ㅡ Não é nada, vovó, vamos entrar. ㅡ chamei, mas seus olhos foram guiados para onde Hyun-suk estava e eu a vi arregalá-los.

ㅡ Su-ji? Filha, quanto tempo.

ㅡ Me soltem, seus merdas! ㅡ Su-ji gritou com os seguranças.

ㅡ Estão a machucando? ㅡ a vovó olhou para mim.

Neguei, tentando outra vez chamar a vovó para entrar, mas ela foi quem negou, caminhando devagar até onde Su-ji estava.

Hyun-suk a encarou, me olhando em seguida e eu não pude fazer nada.

ㅡ Filha. ㅡ a vovó a chamou.

Su-ji parou de se debater para se soltar, seus olhos foram para a vovó e eles a analisaram de cima

ㅡ Então a senhora está bem?

Estou, filha. ㅡ a vovó sorriu. ㅡ você também veio para o jantar? Venha, entre.

ㅡ Jantar? ㅡ Su-ji riu de modo sarcástico, negando. Me aproximei, parando um passo à frente da vovó. ㅡ claro que não, mãe.

Então vá embora, por favor. Olhe só o transtorno que está causando. ㅡ pedi,

Su-ji olhou-me de cima a baixo, assim como fez com a vovó.

Ela me olhou com sua típica cara de nojo, e como se aquilo já não me magoasse muito, ela cuspiu no chão, antes de voltar a me olhar e soltar suas palavras

ㅡ Vocês são meros objetos, não são? Estão sendo comprados por esse daí?

Senhora, por favor, se retire. ㅡ uma das organizadoras do evento pediu, tentando tocar o braço

Não me toca, merda! ㅡ mas ela gritou outra vez, voltando a se tornar agressiva quando tentou se soltar outra vez. ㅡ mamãe, até você?! Até você se rendeu a essa merda de dinheiro?! Olhe só pra você, está vestida como a merda de uma velha rica!

ㅡ Não fale assim com a vovó! ㅡ dei passos a frente, parando perto dela. ㅡ vá embora, ninguém precisa de você, você não faz falta. É insignificante!

Eu quem sou insignificante? ㅡ Su-ji riu. Os homens a puxaram outra vez, desta vez a levando de vez para fora.

Hyun-suk os seguiu, eu olhei para a vovó e lamentei.

Desculpa por isso, vó. Vamos entrar.

ㅡ Porque Su-ji estava tão irritada?

ㅡ Porque ela é uma miserável, vovó. Ela não ama ninguém, ela é má.

O que vão fazer com ela?

Não vão fazer nada,

A vovó me encarou, mas talvez seu coração de mãe fosse algo grandioso demais, e até um pouco tolo, pois, ao contrário de adentrar o salão e esquecer tudo isso, ela quis seguir para onde os homens haviam levado

A segui junto com a Hyubin. Vi quando os homens ainda arrastavam a titia para fora, mas Hyun-suk estava parado na entrada, olhando-a gritar e se espernear.

Hyun, tudo bem? ㅡ parei ao seu lado, olhando a cena também.

Hyun-suk me olhou, assentindo, mas desviou os olhos para a vovó.

ㅡ Senhora Hyelim, a senhora pode entrar.

Su-ji, por favor, não façam isso com ela.

enquanto fechava meus olhos. Hyun-suk parecia desacreditado com a vovó, mas seus olhos de mãe preocupada fazia tudo se tornar pior.

Por favor, a soltem. ㅡ a vovó pediu um pouco mais alto.

Os homens a encararam, Hyun-suk assentiu.

Su-Ji já estava descabelada, completamente fora de si. Seus olhos vieram outra vez para onde estávamos, e voltando a caminhar em nossa direção, os seguranças se atentaram e a pararam quando estava a cerca de dois metros de nós.

A senhora está sentindo pena de mim? ㅡ ela cuspiu a pergunta para a vovó.

ㅡ Filha, porque está agindo assim?

ㅡ Eu não sou sua filha! Não tenho o seu sobrenome!

ㅡ Su-ji...

Eu sabia que a senhora também iria se render ao dinheiro também. Vocês todos são assim. Olhe só para isso, a linda família, não é? A velha interesseira e os dois viados!

ㅡ Tia. ㅡ pedi me irritando outra vez.

ㅡ O que está falando? ㅡ a vovó perguntou. ㅡ não seja má, eu não te criei assim.

ㅡ Não, você me criou para ser uma idiota igual a você e a sua filha morta!

Desgraçada. ㅡ senti meu corpo ferver em ódio.

A vovó me olhou e suspirou, ela parecia cansada e culpada.

Você precisa ir, está causando transtorno. ㅡ mas ela ainda tentou soar agradável quando ditou aquilo

você ainda pode estar viva? ㅡ Su-ji perguntou baixo, demonstrando seu olhar enojado para a vovó também. ㅡ você deveria estar

favor, vovó, deixe que a levem. Ela é má, merece ser escorraçada como um lixo. ㅡ pedi, mas outra vez a

deu um passo à frente, dando outros em seguida enquanto todos ficávamos em silêncio. Quando seu corpo parou de frente com o de Su-ji, senti meu coração acelerar outra

sei o que você fez, filha. ㅡ vovó iniciou com a voz branda. ㅡ mas eu te perdoo. Ainda existe ódio no seu coração, ele parece inquebrável e isso me entristece, mas eu te perdoo, podemos voltar a ser como

antes? ㅡ Su-ji riu soprado, negando outra vez. ㅡ quando você amava a sua querida filha única que nasceu de um amor e me deixava sempre de lado? Ah, é... ela está morta. Aquela puta burra se matou porque foi

Não fale da minha mãe. ㅡ também caminhei até ela, mas Hyun-suk me segurou quando percebeu que meus dedos já se apertavam

falo, ela foi uma puta e foi burra, sim! E a senhora? ㅡ Su-ji voltou a encarar a vovó. Seu riso nasal veio outra vez, aquilo me encheu de ódio. ㅡ vai se tornar como ela? Vai ser uma vagabunda

sangue ferver e puxei a mão de Hyun-suk que me segurava. No segundo seguinte àquele, todos ficaram em silêncio com o som dos meus dedos deixando marcado sobre a pele do rosto de Su-ji o ódio que somente ela me fazia

Tenha respeito pela vovó, sua desgraçada. Ela foi a única pessoa que te

rosto de Su-ji ficou vermelho, mas ela

voltaram a me fitar, e do modo em como suas escleras começavam a ficar vermelhas, eu sabia que aquele sentimento de ódio era

Seu merda, eu vou matar

me atacar, mas os seguranças a seguraram outra vez. Hyun-suk deu a ordem, desta vez não havia ninguém que

cena da mulher voltar a gritar e a se espernear e suspirei, abaixando o rosto, prendendo o choro que queria me

Me desculpa, vovó. Me desculpa. ㅡ

meu rosto, me fazendo erguer o rosto e vê-la sorrir e

Você não fez nada de errado, meu neto. Sua tia

outra vez, sentindo-a acariciar

desejo que todos vocês moram. Principalmente você, sua velha

gritou aquilo para todos ouvirem. A vovó a olhou outra vez, negando fraco, parando o carinho em

observei, ela parecia triste, mas seu corpo parecia

tombou devagar e Hyubin

Senhora Jeon, vamos entrar, a senhora

tentou falar algo, mas sua mão se apertou sobre o peito quando ela gemeu baixo e olhou assustada

seu olhar, ele me deu medo. Segundo após aquilo, parecia que as palavras de Su-ji haviam chegado a ela com força, pois a vovó caiu nos braços de Hyubin, e

de pavor fez com que todos se atentassem quando a vovó já não reagia a

Vovó! ㅡ me abaixei a toquei. Ela não reagia. ㅡ Por favor, ajudem! ㅡ pedi

se ajoelhou ao lado do corpo da vovó, checando o pulso dela quando tocou seu

O coração dela parou, precisamos levá-la para o hospital. ㅡ Hyun-suk falou, se pondo em posição para iniciar a massagem

uma ambulância. ㅡ eu pedi, mas

vai dar tempo, vamos levá-la. Busque meu carro. ㅡ ele buscou a chave e a

entrando em pânico. Eu não sei

Eu busco! ㅡ Hyubin falou, buscando as chaves com pressa. Ela correu até o estacionamento que ficava ao lado de onde estávamos e sequer precisou perguntar qual era o carro de Hyun-suk, era obviamente o mais caro dentre todos

tomou conta e ele me olhou preocupado. Segurei a mão da vovó e ergui meu rosto, olhando-o com dor, mas desviei os olhos quando Hyubin parou o carro e desceu com

a porta traseira, me ajudando junto a Hyun-suk a levar a vovó para o banco

Hyun quem correu para o banco do motorista e deu partida sem sequer pensar enquanto Hyubin continuava com a massagem

com pressa, o hospital ficava a menos de dez minutos de onde estávamos, mas ele com certeza chegaria lá em menos de