Bela Flor - Romance gay Capítulo quarenta e quatro

sprite

POV: Hyun-suk

A casa continuava quieta, o luto estava oficialmente erguido e desta vez, dobrado.

Me sentia péssimo. Tanto por meu passado quanto por meu presente. Seis dias tinham se passado e Jaejun ainda não havia saído do quarto. Ele estava se alimentando, ao menos isso, o que me deixava mais tranquilo. Mas Jaejun permanecia lá, trancado, no escuro e no silêncio, e eu precisava respeitar seu momento porque era quase como um espelho, havia feito a mesma coisa que ele e todos também me respeitaram.

Mas era doloroso. Amar alguém e vê-la sofrer te parte em pedaços tão pequenos que é quase impossível colá-los novamente e fingir estar tudo bem.

ㅡ Você parece péssimo. ㅡ ouvi a voz de Sunhee e sorri pequeno. Estava parado de frente com a janela do meu quarto, mas sequer conseguia observar a paisagem. ㅡ ele ainda não saiu de lá?

Me virei para si, negando. Sunhee suspirou, sentou-se na cama e me chamou para ir até lá.

Me sentei ao seu lado. Encarei seus olhos e senti suas mãos tocarem as minhas.

ㅡ E como você está?

ㅡ Estou bem.

ㅡ Não pode mentir para mim, Park Hyun-suk, sou a pessoa que mais te conhece de verdade.

Suspirei, abaixando meus ombros.

ㅡ Estou péssimo. Não sei o que fazer. Não aguento mais esse silêncio, não aguento mais vê-lo trancado naquele quarto, tenho medo.

ㅡ Você tem medo?

ㅡ De que ele faça algo ruim consigo mesmo.

Admitir meu medo em voz alta me fez tremer. Mas não era novidade. Com os picos das crises que pude ver de perto, cujo Jaejun tinha, um pequeno pedaço de escuridão adentrou o meu peito e se instalou lá, gerando tal medo.

Eu sabia que ele nunca se machucaria de propósito. Além dele ter a avó pela qual lutava diariamente para ser a pessoa melhor que ele havia idealizado, Jaejun repudiava a ação dos pais, mesmo respeitando ambos até mesmo após a morte.

Entretanto, se há uma coisa que aprendi com os meus anos de vida e com minhas próprias experiências é que uma pessoa nunca se machuca de propósito.

Para que algo assim aconteça, ele possivelmente está lutando há muito tempo consigo mesma. Uma luta árdua, silenciosa, dolorida e que, infelizmente, muitas pessoas não conseguem ver e ajudar a tempo.

Ou simplesmente elas não ligam.

Mas eu ligava, eu o queria bem independente de como, e já havia tentado o levar a um profissional para que ele pudesse enfim pôr para fora tudo o que o deixava triste.

Mas a julgar toda a bola de neve de problemas que nos cercou, nada foi realmente feito, e agora ele precisa lidar com os pensamentos sozinho, sem deixar que eu ou qualquer outra pessoa se aproxime para ajudar.

ㅡ Os melhores amigos dele vem hoje outra vez?

ㅡ Eles sempre vêm... mas até mesmo eles, Jaejun não quer ver. Juro que não sei o que faço.

ㅡ Eu diria para dar mais um tempo, mas também sinto medo. Eu me lembro quando foi você. Lembro de como quis invadir esse quarto e abrir todas as janelas. Me partia o coração ter que te ver deitado nessa cama.

Suspirei novamente, as lembranças ainda eram tão frescas e doloridas.

ㅡ Você invadiu meu quarto. ㅡ falei olhando-a, vendo Sunhee rir.

ㅡ Ainda bem que invadi.

ㅡ Talvez eu tenha que tentar novamente. ㅡ Digo ao me erguer. ㅡ pode descer e pedir para a Jihoo preparar algo bom para o almoço? Jaejun e os outros precisam se alimentar bem, sei que os amigos também sentem muito tudo o que ele transmite.

Sunhee assentiu, me deixando ir. O quarto que Jaejun estava era no final do andar. Continuava quieto e através do espaço debaixo da porta eu via a escuridão.

Toquei a madeira, respirando fundo antes de deixar duas batidas.

ㅡ Jaejun? Você já acordou?

Silêncio.

Meu coração se partia, mas eu precisava tentar.

ㅡ Jaejun-ah? Amor... Posso entrar, por favor?

Esperei em silêncio e pude ouvir passos no quarto. Esperei que ele abrisse a porta, mas olhei atentamente para a fechadura quando ouvi o som da chave a trancando.

Meus ombros pareciam ainda mais pesados. Assenti sozinho, ele talvez precisasse de mais tempo, então me virei para sair.

Mas meus pés frearam quando o som da porta se abrindo foi ouvido por mim. Me virei rápido, vendo uma pequena fresta aberta.

Tudo ainda era escuro, mas vi a porta se abrir um pouco mais e pude enfim ver seu rosto

Meu coração se bagunçou, me sentia enfim aliviado por vê-lo de pé, mas me sentia quebrado por ver seus olhos cansados e vermelhos. Suas íris sem brilho enquanto sua pele estava mais pálida do que o habitual.

Caminhei depressa até lá e ele enfim abriu completamente a porta. Não pensei duas vezes antes de lhe tomar em um abraço

se esvaziaram, meus olhos quiseram chorar. Mas me mantive forte. O apertei entre meus braços e tentei me manter calmo, apenas para poder me afastar e encarar seus olhos tristes outra vez, forçando um sorriso calmo em seguida.

ㅡ falei baixo, tocando seu rosto.

braços de Jaejun não me abraçaram. Ele respondeu baixo, sem me dar um sorriso e se encolheu.

ㅡ Você está bem?

Jaejun assentiu, abaixando a cabeça. Ele usava um dos pijamas que pedir para que deixassem para quando tivessem hóspedes na casa, mas o seu era de manga comprida, o que o fazia tocar na barra, abaixando-a.

ㅡ Tem certeza?

Jaejun me olhou, notando minha atenção no que ele fazia.

Ouvi seu suspiro, em seguida, o vi tocar a manga da camisa e a erguer.

ㅡ Eu não fiz nada comigo.

O olhei nos olhos, me sentindo péssimo.

ㅡ Me desculpa.

Jaejun negou, virando-se para adentrar o quarto outra vez.

Estou bem. Só... quero ficar um pouco mais de tempo sozinho.

ㅡ Você não quer sair? Vamos dar um passeio? Pode ser

ㅡ Ainda não, Hyun. Só mais um pouco e eu prometo que vou ficar melhor.

não havia nada que pudesse

Eu vou te esperar,

deu um pequeno sorriso antes de voltar a fechar a porta do quarto, a trancando

então? ㅡ Sunhee perguntou quando cheguei ao andar

vendo abaixar os ombros,

ㅡ Será que devo ir lá?

melhor não, ele pediu para ficar um tempo há mais sozinho. Vou ligar para o Jackson e avisar, ele pode avisar aos

vai ser preciso, eles já chegaram, estão na cozinha esperando. Avisei a eles que você tentaria trazer o Jaejun para

preparando mentalmente para caminhar até a cozinha. Talvez os amigos de Jaejun pudessem não me culpar verbalmente, mas eu sentia que, talvez, lá no fundo, eles me culpassem por não impedir Su-ji de fazer o

Hyelim estava na melhor clínica de cuidados do país, mas ainda assim, Su-ji conseguiu chegar até ela e a partiu

a cozinha, vendo Jackson, Yejun, e Rini. Era apenas os três. Seus olhos vieram para mim depressa, mas percebi como se mostraram desapontados quando não viram

Ele não quis vir? ㅡ

me sentando num dos bancos da bancada. Os três comiam biscoitos feitos por Jihoo, mas não pareciam apreciá-los como deveriam. Tudo estava bagunçado o suficiente para tirar até mesmo

vou lá. ㅡ Jackson falou, mas Yejun segurou em seu pulso,

posso ir? ㅡ Perguntou aos dois, voltando o olhar

de ombros, não era como se ele já não tivesse tentado outra vez e como se Jaejun já tivesse recusado sua

que ele falou com você agora? ㅡ Rini indaga. ㅡ Minah deveria estar aqui, ela saberia falar

que não. Jaejun disse que quer ficar mais tempo